DERMATOFITOSE BOVINA

Guia de Doenças | 16 de março de 2020

Também conhecida como “tinha”, tinea, mela, chorona ou estreptotricose cutânea, as dermatofitoses são problemas de pele comuns em bovinos e que resultam em prejuízos econômicos, pois os animais afetados podem ter queda de produtividade, danos no couro e diminuição no preço de venda devido a lesões na pele.

As dermatofitoses são causadas por fungos dermatófitos, que são capazes de invadir tecidos queratinizados como pele, pelos, unhas, cascos e chifres. Os principais fungos que acometem os animais são o Trichohyton e Microscosporum.

A transmissão normalmente ocorre por contato direto, ou seja, de animal para animal, ou indiretamente através do contato com instrumentos ou locais contaminados como: estabulação, cercas, comedouros, etc.

Os sinais clínicos incluem lesões de pele, caracterizadas por áreas circulares, sem pelos no local e com pelos grossos na margem da lesão, podendo haver ainda variável descamação, vermelhidão do local e hiperpigmentação (a pele no local fica escura).

A ocorrência do problema é maior em períodos de clima quente e úmido, que favorece proliferação dos fungos. Porém, a suscetibilidade do animal é determinada pelo seu estado imunológico. Portanto, animais jovens normalmente são os mais acometidos.  Outros fatores, como má nutrição e a presença de outras doenças favorecem o desenvolvimento das dermatofitoses.

Nos últimos anos, com a elevação na densidade animal nos criatórios, tem ocorrido um aumento considerável nos casos de “tinhas”, pois em aglomeração de animais, como é o caso dos confinamentos, as chances de transmissão são muito maiores, podendo atingir entre 50% a 70% dos animais. Soma-se a isso o estresse, que afeta a imunidade, aumentando a suscetibilidade do rebanho.

Prevenção e Tratamento

Para auxiliar no tratamento das micoses de pele a Real H desenvolveu o Couromax, medicamento que também pode ser utilizado de forma contínua para prevenir a infecção em regiões endêmicas.

Para o tratamento os animais afetados devem ser separados dos demais e o Couromax fornecido através do alimento, facilitando assim a administração do produto e reduzindo a necessidade de manejo dos bovinos, o que diminui o estresse. O consumo mínimo do produto deve ser de 15g a 20g pelo período de 30 a 40 dias consecutivos.

O Couromax é um produto seguro, que não tem riscos de intoxicação, efeitos colaterais e que não deixa resíduos na carne ou no leite dos animais.

Em caso de dúvidas consulte a Real H nos seguintes contatos: realh.com.br | Telefone: (67) 3028-9000 | Whatsapp: (67) 99906-8834.

COMENTÁRIOS

Mande sua dúvida!

    PECUÁRIA FORTE TV

    Fazenda Rromy: 50% Menos Tristeza e Controle de Carrapatos com Ectrol MD

    A Revolução da Pecuária Regenerativa: O Papel Transformador da Real H

    Nova Linha H Tech Real H | Conhecendo Alguns Produtos

    MAIS PROGRAMAS
    Estamos a disposição!