Eficiência na Criação de Bezerras – PARTE II

Girolando | 22 de março de 2016

MOCKUP_SAUDE_2012_TOPVITAA parte I pode ser lida aqui .

A alimentação é o item que mais onera o custo desses animais, principalmente nos primeiros meses de vida, quando o leite é o principal alimento. Na fase de cria, a utilização de colostro excedente, o fornecimento de quantidades reduzidas de dieta líquida, o desaleitamento precoce e o fornecimento de concentrado a partir da segunda semana de vida podem ajudar a reduzir os custos, sem prejudicar o desenvolvimento dos animais. As bezerras devem ser observadas diariamente e um plano adequado de medidas sanitárias e preventivas deve ser adotado, para reduzir os gastos com medicamentos e a taxa de mortalidade.

A fase de recria se estende da desmama ou desaleitamento até a primeira cobrição. De início, há crescimento ósseo e altas taxas de formação de proteína, seguida por uma fase de maior formação de tecido adiposo (gordura).

Do ponto de vista prático é importante haver coerência entre as fases de cria e recria. De nada adianta estabelecer um sistema de cria sofisticado e caro, resultando em animais pesados e de excelente aspecto a desmama ou desaleitamento, se eles serão recriados em pastos de má qualidade, sem suplementação. Os ganhos de peso obtidos com alto custo na fase de cria serão perdidos durante a fase de recria. E vice-versa: não há sentido procurar superar problemas de alta morbidade e mortalidade de bezerras jovens por meio de sistemas excelentes de recria.

Protocolo sugerido:

Top Vita: – 30g/cab/dia (fase de aleitamento ate os 12 meses). 15g/cab/dia na fase de recria.

Para desafios consulte o Departamento técnico da Real H no (67) 3028-9000.

COMENTÁRIOS

Mande sua dúvida!

    PECUÁRIA FORTE TV

    Institucional Real H 2024 (Completo)

    Entrevista Nair Furrer Matos

    Produtores de Leite das Alagoas Visitam Grupo ACP Filhos e Netos

    MAIS PROGRAMAS
    Estamos a disposição!