Pesquisa mostra avanço da sustentabilidade na pecuária de corte nos Estados Unidos

Confinamento | 7 de novembro de 2014

Um estudo feito pela Fundação Espaço Eco (FEE), ligada à Basf, concluiu que houve avanço da pecuária de corte dos Estados Unidos em relação à sustentabilidade. No entanto, destacou que ainda há oportunidades para avançar mais na produção sustentável de carne bovina no país.

O trabalho, feito para a Associação Nacional dos Criadores de Gado de Corte dos Estados Unidos (NCBA, na sigla em inglês), considerou o período de 2005 a 2011 e, segundo os responsáveis, foi o primeiro a comparar desempenho ambiental e econômico desde a alimentação animal até o consumidor.

Além de mapear a evolução da sustentabilidade na cadeia produtiva, o trabalho visou listar pontos de melhoria. Com base em critérios como consumo de energia, uso da terra, resíduos sólidos e preços de mercado, constatou uma redução de 7% nos impactos ambientais no período.

De acordo com o diretor-presidente da Fundação Espaço Eco, Roberto Araújo, houve uma busca maior por inovação e novas tecnologias para melhorar a produtividade. “Melhoramento da genética; irrigação, melhorando as condições de pastagens. Isso faz melhorar aspectos de sustentabilidade”, destacou.

De outro lado, deixar a produção mais sustentável foi mais caro para o criador dos Estados Unidos. Os custos no período analisado aumentaram 6%, conforme a pesquisa. Ainda assim, ponderando o aspecto econômico e ambiental, a conclusão é de que houve um aumento da eficiência no que diz respeito à sustentabilidade no setor .

Cadeia de valor

A diretora de Pesquisa em Sustentabilidade da Associação Nacional dos Criadores de Gado de Corte dos Estados Unidos, Kim Stackhouse-Lawson, disse que o diferencial do estudo foi unir a cadeia, do produtor até o varejista. Desta forma, é possível colocar a cada segmento as oportunidades de melhoria.

“Não é apenas um setor melhorando, mas um trabalho conjunto. O consumidor nos Estados Unidos não quer pagar mais por uma carne sustentável. Então nosso trabalho é criar valor”, declarou ela, que participa da Conferência Global sobre Carne Sustentável, que vai até o próximo dia 5, em São Paulo.

A diretora da NCBA mencionou que um dos maiores exemplos desse trabalho conjunto está no combate ao desperdício. Segundo ela, só na carne bovina, corresponde a 20% do que é consumido. “Se pudermos reduzir o desperdício pela metade, nosso ganho em sustentabilidade seria de 10%.”

No entanto, Kim reconhece que, além do processo interno de mudança, um dos grandes desafios é transferir para a sociedade a importância da produção sustentável. De acordo com ela, o consumidor americano quer saber se o modo de produção é responsável, mas não compreende o que, de fato, seja sustentabilidade. “A terminologia não está assimilada e não há uma maneira rápida de falar sobre o assunto.”

A alternativa, segundo a representante dos criadores de gado de corte dos Estados Unidos, é conscientizar os stakeholders, os segmentos envolvidas no processo, e, partir deles, estabelecer um diálogo com os consumidores. “Se pudermos fazê-los entender o nosso trabalho e a nossa mensagem, ela chegará ao consumidor final”, disse Kim.

Por Raphael Salomão – Globo Rural.

COMENTÁRIOS

Mande sua dúvida!

    PECUÁRIA FORTE TV

    Institucional Real H 2024 (Completo)

    Entrevista Nair Furrer Matos

    Produtores de Leite das Alagoas Visitam Grupo ACP Filhos e Netos

    MAIS PROGRAMAS
    Estamos a disposição!