Uso da palhada de cana reduz custos no confinamento

Confinamento | 22 de agosto de 2014
estancia alta vista confinamentoA redução de custos no confinamento pode convergir com a preservação ambiental. Um exemplo disso é a agropecuária Monte Alegre, no município de Barretos (SP): cercada por plantações de cana-de-açúcar, a propriedade sempre se beneficiou desta produção no confinamento de gado. Por 10 anos, o “bagacinho” de cana foi fonte de volumoso no preparo da dieta.
Porém, com a valorização do produto (em dez anos, a tonelada foi de R$20 a R$150), a solução foi reduzir o custo na própria lavoura. A palhada que sobra depois da colheita mecanizada passou a substituir o “bagacinho”, pela metade do preço e com algumas vantagens nutricionais.
Quando o pecuarista André Perrone e os consultores do confinamento decidiram adotar a palhada da cana na alimentação dos animais, eles não tinham nenhuma informação sobre o desempenho do gado com esse produto. Tiveram que tomar alguns cuidados para evitar que o ganho de peso fosse prejudicado, conforme explica o zootecnista Fernando Parra:
– Começamos a usar esse produto com 20% em volumoso e fomos aumentando. Atualmente, estamos usando 100% do volumoso vindo da palha na terminação. Os animais estão tendo boa aceitação, mantendo o mesmo desempenho, com custo inferior à dieta anterior.
O produto é recolhido na lavoura por uma máquina de fazer feno. Mas apenas a parte superficial é retirada, evitando assim impurezas no alimento e mantendo, ao mesmo tempo, a matéria orgânica no solo. O material deve ser retirado da lavoura sete dias depois do corte da cana, prazo suficiente para as folhas perderem um pouco da umidade e também dentro do período em que a planta ainda não rebrotou. O rendimento é de 5 a 7 toneladas de palhada por hectare.
Depois dos fardos prontos, é feito o armazenamento ao lado da fábrica de ração, onde as partículas devem ser padronizadas em aproximadamente cinco centímetros, para que a mistura com os outros ingredientes seja bem homogênea. De acordo com o coordenador operacional da fazenda, Marcelo Riciel Guerreiro, a retirada do excesso de palha trouxe um benefício também para a lavoura da cana, diminuindo a incidência de pragas na plantação:
– Na retirada da palha a cigarrinha diminuiu e beneficia a rebrota da cana (…) melhora tanto na agricultura como na boa aceitação do gado.  Informações do site Canal Rural 

COMENTÁRIOS

Mande sua dúvida!

    PECUÁRIA FORTE TV

    Por que as estradas da Real H são verdes?

    Fazenda Rromy: 50% Menos Tristeza e Controle de Carrapatos com Ectrol MD

    A Revolução da Pecuária Regenerativa: O Papel Transformador da Real H

    MAIS PROGRAMAS
    Estamos a disposição!