Venda antecipada de gado em Mato Grosso garante rentabilidade de R$ 70 por cabeça no confinamento

Confinamento | 17 de novembro de 2015

2014-10-10_09-50-09_533O pecuarista que travou venda de bovinos no mercado futuro no início do período de confinamento em Mato Grosso conseguiu uma margem positiva de R$ 70,04 por cabeça, enquanto aquele que optou em comercializar a produção no balcão margem negativa de R$ 17,08 por animal. O período de confinamento em Mato Grosso vai de abril a outubro.

Em abril no mercado disponível a arroba do boi gordo em Mato Grosso estava em média a R$ 132,60, enquanto em outubro caiu para R$ 128,61 em Mato Grosso.

Segundo levantamento do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), em 2015 os pecuaristas confinaram 669.893 cabeças de bovinos, 5,2% a mais que as 636.661 cabeças constatadas em 2014. A maior variação verificada foi na região Noroeste de 69,9%, salto de 6,4 mil cabeças para 10,8 mil cabeças. No Médio-Norte, onde há maior concentração de animais confinados, houve redução de 2,4% de 153,06 mil cabeças para 149,3 mil cabeças.

O último levantamento de confinamento em Mato Grosso revela que das 669.983 cabeças confinadas neste ano em 12,8% das comercializações utilizou-se o “hedge” (ferramenta de garantia de preços) com travamento de preços com antecipação. Deste percentual 11,2% representam negociações a termo e 1,6% de vendas na BM&F.

Simulações realizadas pelo Imea mostram que o pecuarista que utilizou as ferramentas de vendas futuras no início da temporada de confinamento teve uma margem de lucro de R$ 70,04 por cabeça. Contudo, aqueles que optaram em vender a produção no balcão tiveram uma margem negativa de R$ 17,08 por cabeça.

“O confinamento é uma estratégia de alto risco e todas as ferramentas que minimizem o mesmo devem ser utilizadas”, pontua o superintendente da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Olmir Cividini.

Apesar de favorável para o pecuarista, principalmente em 2015 com o custo da matéria prima alta, a economia instável e a demanda retraída, tais modalidades de vendas antecipadas exigem do pecuarista atenção e conhecimento de mercado, destaca o gerente de projetos da Acrimat, Fábio Silva.

“A procura maior pelo boi a termo tem motivo claro, já que representa uma relação direta e benéfica entre pecuarista e frigorífico que faz a comercialização antecipada da produção”, frisa Fábio.

As informações são do site Agro Olhar 

COMENTÁRIOS

Mande sua dúvida!

    PECUÁRIA FORTE TV

    Sustentabilidade Copercana

    Casos de Sucesso Cabanha Santa Helena

    Institucional Real H 2024 (Completo)

    MAIS PROGRAMAS
    Estamos a disposição!