Reprodução bovina: como evitar a distocia com uso da homeopatia populacional

Guia de Doenças | 22 de agosto de 2018

O parto é sempre um momento importante na vida da vaca e do bezerro (a). Complicações nessa hora podem prejudicar tanto a mãe como comprometer também a saúde e o desempenho dos recém-nascidos, além da possibilidade de afetar a cadeia produtiva, no gado de corte ou na pecuária leiteira.

Uma das complicações mais comuns na hora do parto é a distocia e caracteriza-se como uma dificuldade da vaca em “expulsar” o feto. Esse desafio pode estar relacionado à mãe (distocia materna), e ao feto (distocia fetal) ou a ambos.

As distocias de origem materna, mais frequentes em gado leiteiro, geralmente estão relacionadas à :

  • hipocalcemia,
  • dificuldade de contração do útero, 
  • pelve juvenil 
  • torção uterina.

Já a distocia fetal relaciona-se a:

  • partos gemelares,
  • más formações fetais,
  • mau posicionamento 
  • tamanho desproporcional entre mãe e feto.

As vacas de primeira cria são as mais propensas ao parto distócico, os animais nascidos desses partos têm maior predisposição à mortalidade, devido à falta de oxigenação, por exemplo, e a doenças no período neotal que poderão comprometer o desempenho dos animais. O desafio pode influenciar ainda no desenvolvimento dos animais.

Vacas que têm parto distócico e necessitam de ajuda para retirada do bezerro são 4,9 vezes mais propensas a apresentar alteração no pós-parto, como a retenção de placenta. Para ter uma ideia, vacas com retenção de placenta podem produzir 200 litros de leite a menos durante uma lactação.

Dessa forma o parto distócico pode influenciar negativamente na produtividade da pecuária de corte e de leite, por isso, medidas preventivas são fundamentais. No caso da distocia fetal, o controle pode ser feito com planejamento na hora de escolher o touro e a vaca, para evitar bezerros muito grandes em vacas com medidas pélvicas pequenas. É importante escolher novilhas de acordo com peso e não idade.

Quanto ao controle de distocias maternas, fornecer Matrimax para as fêmeas bovinas em pré-parto reduz a incidência de complicações. Esse produto facilita o parto normal e diminui significativamente a retenção de placenta, grande causadora de sub-fertilidade futura.

Sua ação faz com que ocorra o estímulo na fisiologia hormonal da fêmea prenha, fazendo com que ocorra naturalmente o aumento na dilatação do canal do parto e contração do útero. Aliado ao fornecimento do Matrimax, devemos realizar o controle de escore corporal e a correta mineralização do rebanho.

Consulte sempre um Médico Veterinário.

COMENTÁRIOS

Mande sua dúvida!

    PECUÁRIA FORTE TV

    Fazenda Rromy: 50% Menos Tristeza e Controle de Carrapatos com Ectrol MD

    A Revolução da Pecuária Regenerativa: O Papel Transformador da Real H

    Nova Linha H Tech Real H | Conhecendo Alguns Produtos

    MAIS PROGRAMAS
    Estamos a disposição!